Lifestyle

A vida de Comissária

18/01/2014 • 32 Comentários

Durante o curso de Comissária no Brasil, pude aprender um pouco sobre a rotina da profissão, mas não há nada como vivê-la na pele, não é? Ser comissária exige bastante do nosso corpo e da nossa mente. As viagens contínuas de um continente ao outro bagunçam o nosso “body clock” e o sono se transforma em nosso maior inimigo.

Vou contar um pouquinho da minha rotina pra vocês e explicar um pouquinho da profissão. Vale lembrar que a rotina e as funções que desempenho são diferentes em cada empresa, mas dá pra ter uma noção básica das responsabilidades e dia-a-dia da Aeromoça / Comissário ;).

Todo final do mês, eu recebo o que eles chamam de roster (escala) onde mostram os vôos que irei trabalhar e os lugares para o qual irei. No meu roster, não aparece o nome da cidade ou país, mas sim o código do aeroporto. Por exemplo, se vou para Paris, aparece o código CDG (que significa aeroporto Charles de Gaulle). Juntamente com o nome do aeroporto, posso ver o número do voo, hora de decolagem de Dubai e  hora do pouso em Paris  e o mesmo para o voo de volta.

O mesmo funciona para meus dias de folga, também posso vê-los no roster. Como tripulante, não preciso passar pela imigração da mesma forma que os passageiros passam, mas ainda assim, mostro meus documentos e dou entrada e saída no país, somente de forma mais rápida. Para fazer check-in em um voo, preciso chegar bem antes da hora de decolagem no aeroporto para passar pela imigração, fazer check-in, ir para a área de segurança para então finalmente entrar na sala de briefing e seguir para a aeronave. O briefing é resumidamente uma reunião com todos os tripulantes para que possamos nos conhecer (voamos com uma tripulação diferente em cada voo) , debater sobre assuntos importantes sobre o voo e compartilharmos informações um com o outro.

Terminado o briefing, vamos a caminho do ônibus que nos levará para a aeronave. Uma vez dentro do avião, começamos a desenvolver uma série de procedimentos relacionados à segurança para então, nos prepararmos para o embarque dos passageiros.

A minha parte favorita, é o embarque. É nesta fase que posso dizer a famosa frase “Welcome aboard!”. Recebemos e auxiliamos os passageiros no que precisarem e então começamos as nos preparar para decolar. Durante o voo, temos o serviço de bordo, que varia dependendo do horário do voo. Ao chegar em nosso destino, os passageiros desembarcam e nós vamos para o hotel. Nossa acomodação na cidade para que voamos é organizada pela cia aérea e quando chegamos, ja está tudo pronto, só precisamos ir fazer o check-in :).

Há também dias em que fico de standby, que é uma forma de reserva. O standby pode ser realizado em casa ou no próprio aeroporto, de uniforme e pronta pra voar. No standby, posso ser chamada a qualquer hora para operar em qualquer voo. Geralmente nessas horas, minha mala está equipada com roupas de inverno e de verão, rs!

Ás vezes tenho somente 24h no local pra onde viajo, ás vezes tenho 48h  ou mais, depende de várias coisas como condições de tempo, aeronave, voos e etc. No dia do voo, recebemos o que eles chamam de “wake-up call”, que nada mais é do que uma ligação da recepção do hotel para lhe avisar que em uma hora, devemos estar de check-out feito para irmos para a aeronave e operar o voo de volta. Geralmente quando chegamos no hotel para fazer o check-in, nosso chefe de equipe nos informa o horário da ligação e horário que devemos estar prontos para ir.

A função do comissário de bordo é garantir que seus passageiros façam uma viagem segura e confortável até seu destino. Durante o tempo de voo, é com prazer que administramos o serviço de bordo mas não exitem em recorrer à algum CMS em alguma possível emergência. Eu amo cada pedacinho do meu trabalho e adoro quando as pessoas percebem que podem contar conosco. Acreditem, comissários são muito mais do que “apenas rostinhos bonitos” (rs), passamos por treinamentos intensos e bem puxados, temos todo o conhecimento necessário para agir em uma emergência juntamente com graça e calma.

Como comissária, quando tenho voo, procuro acordar horas antes para poder me preparar com calma e chegar preparada para o voo. Em meus layovers, procuro descansar e conhecer a cidade onde estou o máximo que der. Nem sempre consigo ver tudo, mas me conforta saber que logo poderei voltar àquele mesmo local 🙂 Outra parte legal, é ter uma tripulação diferente em cada voo. São milhares de culturas diferentes trabalhando juntas para um bem comum. Os passageiros também, sempre são de diferentes culturas, o que adiciona mais um ponto para a experiência. Em 6 meses voando, além de conhecer lugares lindos, aprendi a falar pelo menos uma palavra em no mínimo 6 línguas diferentes!

Outra coisa interessante da profissão são os horários, ás vezes chego em casa 3AM, ás vezes 12h e assim vai. Não existe um horário fio por que os voos são sempre diferentes. Isso bagunça nosso body clock, como disse no início, até pela diferença de fusos dos lugares que viajamos mas basta um pouquinho de administração e ajuste e logo estamos novinhos em folha! No dias de folga, procuro ficar com as pessoas que eu gosto, falar com a família e claro, descansar para me preparar para o próximo voo.

Mais do que apenas uma profissão, ser comissário é ter um lifestyle diferente, que exige dedicação e preparo. Eu ainda descubro muitas coisas pelo caminho que vou percorrendo mas uma coisa posso dizer: Tenho de longe a “rotina” mais dinâmica e diferenciada que já conheci, rs.

Espero ter saciado as dúvidas de vocês a respeito da profissão, por favor, deixem nos comentários qualquer outra dúvida que tiverem a respeito e farei meu melhor pra responder 😉

bizu bizu ♥

Nanda

beijos, Fernanda
32 Comentários